Avelino Ferreira, 63 anos, brasileiro, casado, sete filhos, sete netos. Jornalista; escritor; professor de Filosofia.







domingo, 25 de julho de 2010

Comentário sobre o espanto e o choro de Cristina Lima

Li no blog de Cláudio Andrade que a ex-presidente da Fundação Oswaldo Lima  nos governos Garotinho e Sérgio Mendes (1989-1996) e ex-presidente da Fundação Trianon no governo Mocaiber (2008), Cristina Lima, é favorável às câmeras nos banheiros das escolas. Está indignada porque ninguém (?) reclama da reforma no Jardim do Liceu, mas faz alarde com as câmeras nos banheiros do Liceu, que deve tê-las, segundo ela, porque existem lá 3.400 alunos.

Gosto de Cristina e não vou ser irônico. Até porque ela está com vontade de chorar. E temos que respeitar seu choro. Também não quero ver uma senhora de idade chorando porque reformaram, sem autorização dos órgãos competentes, uma praça. Seria só a do Liceu? Sim, porque outras praças estão sendo reformadas. Mas não importa. Seu choro tem que ser respeitado.

E, no caso das câmeras, como ela é fã incondicional dos big brothers, com câmeras para tudo que é lado, estou quase mudando meus conceitos sobre câmera escondida (sempre achei um desrespeito, um absurdo, atitude de frustrados (jornalistas ou não) porque vivemos numa democracia. Sim, porque quem usa do artifício da "câmera escondida" para dedurar pessoas (em atos ilícitos ou não) gosta mesmo é de uma ditadura. A democracia tem suas regras e uma legislação que dá o direito a todo cidadão buscar uma investigação sobre qualquer fato. Se fazem mal uso delas, deve-se denunciar seus fraudadores.

Mas daí a querer evitar, pelo medo da "prova cabal" de uma quebra de regra, através de câmeras escondidas, gravações escondidas, fotos escondidas, enfim, um ato que a sociedade não aceita, é conformar-se e até aprovar uma escuta telefônica na sua casa, no seu carro. É aprovar um detetive particular no seu encalço para saber onde se está indo, com quem conversa, com quem se encontra.

Talvez seja a idade. Quando ficamos velhos como estamos agora, em geral, já não "aprontamos" e passamos a exigir policiamento para aqueles que fazem o que fazíamos escondidos de nossos pais. Queremos vigiar. principalmente quando nos sentimos vazios e quremos cuidar da vida dos outros. Queremos tudo certinho, pois já velhos, não conseguimos mais fazer  erradinho.

Que coisa, hein?

Quanto à praça do Liceu (e outras), não opino porque desconheço as opiniões sérias contrárias. A de Cristina estou sabendo agora porque li o blog do Cláudio. Creio que ela já ingressou na Justiça para cobrar uma atitude mais firme. Mas, quanto às câmeras escondidas, ainda continuo contra todas, em qualquer lugar e circunstância. Estou velho mas não estou morto (ainda), embora com o pé próximo à cova. E continuo com os mesmos princípios de quando era jovem, sempre em favor dos direitos do cidadão (os jovens  se enquadram). 

Abaixo, a postagem de Cristina Lima, seu espanto e seu choro:

Vejo com grande espanto a reforma no jardim do Liceu, Que ignorou a proposta arquitetônica do coreto, qual seja A de simular pedras e galhos, assim como os bancos, tb Assassinados pela cal branca.
Será que o INEPAC autorizou isso? Cadê o COPPAM?
As plantas são totalmente inadequadas a espaços públicos e, se não houver uma vigilância permanente, serão furtadas numpiscar de olhos!
Isso incomoda menos do que uma câmera instalada no lavabo feminino de uma escola pública com 3.400 alunos?
Cadê a mídia? Cadê a imprensa? Cadê o Secretário?
De Cultura e Presidente do COPPAM? Cadê o sensacionalismo?
É gente, dá vontade de chorar...

Cristina Lima

Um comentário:

RALFE REIS disse...

Grande assembléia popular nesta quarta-feira no Parthenon: Campos não pode parar!
http://blogralfereis.blogspot.com/