Avelino Ferreira, 63 anos, brasileiro, casado, sete filhos, sete netos. Jornalista; escritor; professor de Filosofia.







sábado, 31 de julho de 2010

Cine Vídeo Índio Brasil no Palácio da Cultura

A mostra Vídeo Índio Brasil, iniciada agora há pouco no auditório Amaro Prata Tavares, no Palácio da Cultura, contou com a apresentação da peça de teatro dos alunos da escola municipal Francisco Faria Barbosa, dirigida pelo animadfor cultural Luciano d´Paula, e narra aspectos históricos da Aldeia indígena que ali existiu e a situação atual dos moradores da comunidade.

Após a abertura feita por mim, enquanto presidente da Fundação Oswaldo Lima, parceira do evento,que é coordendo pela UNSUM (leia-se Sylvia Márcia Paes e Carmem Eugênia) e Antonio Baldan, juntamente com outras instituições, inclusive a UENF. A professora da UENF, doutora Simone Teixeira, proferiu palestra sobre os índios no Brasil desde o "descobrimento" - verdadeira aula sobre os povos indígenas e a visão deles por parte dos colonizadores, que não é diferente da nossa visão, hoje.

A seguir, foi apresentado um filme - "já me transformei em imagem" com direção de Zezinho Yube (Vídeo das Aldeias, 32 minutos) -  sobre uma comunidade indígena e como eles vivem. A mostra prossegue até o dia sete, com apresentações diárias sobre os índios no Brasil, com filmes diferentes e debates todos os dias. Uma boa pedida para quem quer saber sobre eles e sobre a nossa história. Além de ser uma boa pedida para quem gosta de cinema, exposição de artes plásticas etc.

Dom Américo na Festa do Santíssimo

Daqui a pouco o cantor Dom Am,érico se apresentará no palco ao lado da Catedral Diocesana, acompanhando a excelente banda da Polícia Militar num repertório preparado para as famílias que frequentam o canteiro de barracas da maior festa popular do interior do Estado, a Festa do Santíssimo Salvador, padroeiro de Campos.

Com um repertório variado, Dom Américo terá a companhia da cantora Valéria Sá que, com sua voz macia, suave, interpretará canções das décadas de 1960/70/80 e atuais, solando e em dueto com o Dom. o canteiro de barracas, organizado pela Fundação Oswaldo Lima juntamente com a Diocese, reúne todas as noites, após as missas na Catedral, centenas de famílias que lotam o espaço para uma noite agradável, saboreando seus pratos oprediletos, salgsdos e bebidas e ouvindo música de qualidade.

Mostra de vídeo sobre populações indígenas no Palácio da Cultura

Enquanto organiza a Festa de São Salvador, com uma vasta programação, a Fundação Oswaldo Lima mantém, no Palácio da Cultura, seus eventos culturais, como mostra de cinema, colônia de férias nas casas de cultura e exposição dos trabalhos dos cursos de artes e ofícios. Além disso, promove, a partir de hoje, a mostra Vídeo Índio Brasil, em parceria com o grupo Unsum e UENF. Leia abaixo matéria extraída do site da Prefeitura sobre a mostra:

O Grupo Unsum, em parceria com a Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima, Secretaria Municipal de Educação e Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (Uenf), com patrocínio do Ministério da Cultura, realiza a partir deste sábado (31), a Mostra “Vídeo Índio Brasil”, no Auditório Amaro Prata Tavares, no Palácio da Cultura. O evento contará com mostra de vídeos com temática indígena, exposição de artes plásticas, apresentação cultural, debates, palestras e exposição sobre o índio goitacá.
A programação começa às 18h30, no auditório do Palácio da Cultura, seguida de apresentação dos alunos da Escola Municipal Francisco Faria Barbosa, da comunidade da Aldeia, com produção artística do animador cultural Luciano d’Paula e produção executiva do instrutor de artes e ofícios, Leandro Gregório.
Após a apresentação, haverá palestra intitulada “A imagem do índio no Brasil: das caravelas ao século XXI”, proferida pela a Dra. Simonne Teixeira, da Uenf. A Mostra Vídeo Índio Brasil prosseguirá até o dia 7 de agosto, com exibição de diversos filmes, muitos deles produzidos pelos próprios índios.

“O objetivo é estimular a utilização do audiovisual pelos povos indígenas e a reflexão sobre a imagem da cultura indígena na mídia e despertar o interesse da população não-índia para os valores e as tradições destes povos”, explica o organizador da mostra, Antônio Baldan.

Programação variada na Festa de São Salvador

O cantor Dom Américo se apresenta hoje no palco ao lado da Catedral, acompanhando a excelente banda da Polícia Militar, com um repertório eclético e que foi preparado justamente para a Festa do Santíssimo Salvador.

No dia 29 apresentou-se no local a banda de pagode Simpatia Júnior e, ontem, Maria Fernanda e Banda. O canteiro de barracas da Catedral tem como característica um ambiente familiar, onde as pessoas têm uma variedade de pratos e salgados muito bem preparados, bebidas em geral e assistem, sempre, a um espetáculo musical de qualidade.

No dia 04, o excelente violonista e compositor campista Rogério Bicudo, que mora em Amsterdã, Holanda, apresentará seu mais novo show com músicas brasileiras. A banda que o acompanha vem do Rio de Janeiro e ele promete um show inesquecível no canteiro de barracas às 21 horas.

No dia 05 será a vez de Sandro Bali e o melhor do pop rock. No dia 07, o samba de raiz terá vez com Lene Moraes, carioca que se apaixonou por Campos e não mais voltou ao Rio, a não ser para fazer shows. Coordenou o excelente trabalho de gravação do CD, lançado pela Fundação Zumbi dos Palmares, Bambas da Planície, reunindo composições imortais de Geraldo Gamboa, Manoel Tancredo e Jorge Chinês.

No palco geospace, que está sendo montado na praça das Quatro Jornadas, a Festa do Santíssimo Salvador terá Gian e Giovani no dia 05, Celina Borges, no dia 06, tendo na sequência Átila e Charles; no dia 07, Swing Simpatia, às 22 horas e, depois, Di Bobeira; e no domingo, Maria Cecília e Rodolfo, terminando a noite, Gil Paixão e Banda.  

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Rogério Fernandes quer a paz de Mocaiber

Rogério Fernandes quer o legislativo na mais santa paz com o executivo. A bancada de oposição ocupará a tribuna para elogiar Nahim - o que acho que está correto, pela postura assumida pelo prefeito em exercício - e criticar duramente Rosinha, numa estratégia que visa fortalecer o colega camarista e enfraquecer a ex-governadora.

A estratégia não dará certo e só terá eco (se tiver) nos blogs que só existem por causa de Garotinho e que não gozam de credibilidade. E nas emissoras de rádio e mídia impressa que precisam de Garotinho para sobreviverem. O povo, ao que parece, tem uma opinião favorável a Rosinha, pelo que se ouve nas ruas e pela solidariedade que ela vem recebendo das diversas comunidades.

De qualquer maneira, é bom registrar que a paz que Rogério Fernandes e a oposição na Câmara quer é a mesma de Mocaiber. E de Arnaldo. A paz desde que eles e seus amigos íntimos estejam bem. O resto não conta. A paz de Mocaiber e Arnaldo é aquela que levou Campos a ser uma cidade famosa em todo o Brasil por corrupção.

Essa paz os vereadores de oposição querem, mas o povo, certamente, não quer. pelo menos, não mais. Campos com Rosinha tornou-se um canteiro de obras. Obras que há muito deveriam ter sido feitas, mas não foram porque o dinheiro servia para tudo, menos para a melhoria da qualidade de vida do povo. Tenho certeza de que essa paz o Nahim também não quer.

Rogério Fernandes nomeia advogado que deu parecer contrário a posse de Edson como procurador da Câmara

Interessante! Muito interessante! O procurador e o sub-procurador da Câmara de Campos dão parecer favorável (não poderia ser diferente) a posse de Edson Batista. O presidente da Câmara, Rogério Fernandes, decide ouvir um outro advogado de fora, Robson Tadeu de Castro Maciel Júnior, dos quadros do legislativo e este dá parecer contrário.

Rogério Fernandes exonera os dois primeiros e nomeia... o advogado Robson Tadeu de Castro Maciel Júnior, de fora, para ficar dentro, ou seja, como novo procurador da Câmara.

Se o presidente da Câmara é Nahim, então ele presidirá as sessões legislativas

Se Cleber Tinoco tiver razão quando diz que Nahim é presidente da Câmara, recebendo, inclusive, dela, seus vencimentos, e que, portanto, Edson Batita não pode assumir, então o Rogério Matoso não pode presidir o Legislativo. E na sessão de reabertura da Câmara, estará lá Nelson Nahim comandando a Casa.

Todavia, Rogério concede entrevista e diz que a partir de terça-feira, ele assume a presidência dos trabalhos como presidente da Câmara. Então, não consigo entender o raciocínio do nobre e novato vereador. Assim como não li nenhuma postagem de Cleber Tinoco sobre o assunto, ou seja, de Rogério presidindo a Câmara quando Nahim, segundo ele próprio, é que é o presidente.

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Morre o cientista carioca Marcomede Rangel

Recebo a informação do doutor Marcelo Souza Oliveira, professor da UENF e coordenador do Clube de Astronomia de Campos, de que faleceu (ontem) o astrônomo Marcomede Rangel. Marcomede esteve em Campos diversas vezes nos últimos dois anos, nos encontros internacionais promovidos pelo Clube de Astronomia em parceria com a Fundação Oswaldo Lima e o IF.

Admirador de Rosinha Garotinho, dizia com orgulho que, com a sanção dela ao projeto de lei de Adroaldo Peixoto, o Estado do Rio tornou-se o primeiro do Brasil a ter um dia em homenagem ao Astrônomo. Pelos serviços prestados na esfera da ciência, Marcomede foi agraciado com a Medalha Tiradentes pela Assembléia Legislativa do Estado.

Físico de fama internacional MARCOMEDE RANGEL NUNES era carioca de São Cristóvão, Graduado em Bacharel e Licenciado em Física (1976-1979) pela Faculdade de Humanidades Pedro II. Do seu vasto currículo consta a especialização em Jornalismo (1983) pela Universidade Estácio de Sá. Mestre em Estudos Brasileiros (1984-1989), pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro - (UERJ), com a dissertação “Sobre a participação científica brasileira na Antártica”. Análise do Programa Antártico Brasileiro - Proantar.

Trabalhava no Observatório Nacional desde 1968, quando começou observando o sol, aos 17 anos, o que lhe valeu uma crônica da escritora Dinah Silveira de Queiroz, em 1969, intitulada “O Dono do Sol” no Jornal do Commercio. Atuou nos departamentos de Astronomia (Sol, asteróides, cometas e estrelas duplas), Geofísica (Gravimetria) e Serviço da Hora. Possui mais de 20 obras publicadas entre livros e mapas.

Durante suas andanças pelo Brasil, na época do cometa Halley (1985-1986) em palestras, conferências e lançamento de livros e mapas, Ziraldo o intitulou “Marcometa”. Sobre seu livro a respeito das crianças indígenas, “Oku-Curi” em parceria com Felicitas Barreto, o poeta Carlos Drummond de Andrade escreveu, em 1980: - delícia de história em que imagem e texto se combinam para ensinar a gente a compreender melhor os índios”.

Marcomede assessorou o arquiteto Sergio Bernardes na parte astronômica do projeto do concurso internacional “Parc de La Villete, Paris; e o arquiteto Oscar Niemeyer, na construção do” relógio de Sol de Brasília”, com 5 metros e meio de altura.

Já viajou sete vezes à Antártica, pelo Programa Antártico Brasileiro / Secretaria da Comissão Interministerial para Recurso do Mar - Secirm, tendo embarcado duas vezes no navio Barão de Teffé, da Marinha do Brasil e uma vez no navio Ary Rangel, e voado nos aviões Hércules C-130 da FAB. A primeira viagem foi em 1984, período pioneiro do Brasil na região gelada, quando se tornou o primeiro brasileiro a medir a radiação solar na Antártica, como representante do Instituto Brasileiro de Estudos Antárticos e do Observatório Nacional.

Sócio fundador da Sociedade Brasileira de História da Ciência - SBHC. Membro efetivo da Academia Nacional de Letras e Artes - ANLA. Em 1993 ganhou a Medalha “Amigo da Marinha”, pelo seu trabalho de divulgação do Brasil na Antártica, e em 2000 a “Medalha Pedro Ernesto”, proposto pelo vereador Chico Aguiar, sobre sua obra na divulgação da Ciência, dado pela Câmara Municipal do Rio de Janeiro. Recebeu moções de louvor e reconhecimento pelo seu trabalho pela Câmara Municipal do Rio de Janeiro e a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro.

Manteve colunas de Ciências para crianças e jovens nos jornais: do Brasil e O Globo, tendo escrito também para a Folha de São Paulo (Folhinha) e o Estado de São Paulo (Estadinho). Implantou em 1975 a coluna “O Tempo” no jornal O Globo. Escreveu para várias revistas entre elas Geográfica Universal, Manchete, Fatos e Fotos, Ecologia e Desenvolvimento.Integrou o Grupo de Mémoria e Divulgação (1982), o Núcleo de História da Ciência (1983) e o Projeto Memória da Astronomia e Ciência Afins (1984). Projetos do CNPq, no âmbito do Observatório Nacional, objetivando a implantação de um Museu de Ciências do Observatório Nacional, que acabou culminando com a criação do Museu de Astronomia (1985).

Participou da implantação dos planetários de Feira de Santana (1997) e de Belém (Sebastião Sodré da Gama), no Pará (1999), sugerindo sua criação após a observação do eclipse anular do Sol de 1985 na cidade observando o interesse da população pelo fenômeno; e do Museu do Eclipse, em Sobral, Ceará (1999), realizando a pesquisa iconográfica.

Sugeriu o nome, sendo aceito pelo governo da cidade, para escola de ensino médio, em São João da Barra (RJ), de “Domingos Fernandes da Costa”, astrônomo do Observatório Nacional que deu grande contribuição à Ciência, tendo inclusive estado com o cientista Albert Einstein, no Rio de Janeiro em 1925. Possui artigos publicados no Brasil e no exterior, com várias viagens internacionais, para visitas técnicas e estágios.

Sentiremos sua falta. Deste espaço, o nosso sentido adeus!

Garotinho e a mídia

Como já comentei em duas postagens - uma gerou polêmica, o Garotinho é o político que gera "frisson" nos blogueiros. Os motivos são vários e não vou reeditá-los, mas é só consultar os blogs. Aliás, não só os blogs, mas a mídia em geral. E ainda tem gente que diz que ele está "morto" politicamente.

 "Vivos" devem estar Arnaldo Viana, Alexandre Mocaiber, Sérgio Mendes e Carlos Alberto Campista, citando apenas os ex-prefeitos, sendo que Arnaldo era, há pouco, a grande liderança que fazia frente a Garotinnho e que havia tomado seu lugar na condução do processo político em Campos.

 Pois é...

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Começou a 358ª Festa ao Santíssimo

Começou hoje, com missa solene na Catedral, a 358ª Festa do Santíssimo Salvador. Amanhã, dia 29, as atrações serão iniciadas sobre o palco montado ao lado da igreja, no canteiro de barracas. A banda que se apresenta amanhã é Simpatia Júnior. No dia 30, Maria Fernanda e Banda; dia 31, Dom Américo, acompandao da banda da Polícia Militar; no dia 04, Rogério Bicudo e Banda; no dia 05, Sandro Bali e, no dia 07, Lene Moraes.

No palco da praça das Quatro Jornadas, os espetáculos começam dia 05, com Gian e Giovani. No dia 06, Celina Borges e, a seguir, o espetáculo pirotécnico (o maior e mais bonito até então) e o fim de noite com Átila e Charles; No dia 07, Swing Simpatia e Di Bobeira; e, no dia 08, domingo, Maria Cecília e Rodolfo, terminando a noite e a festa, Gil Paixão e Banda.

Voltarosinha.com

Alguns amigos de Rosinha Garotinho criaram um blog para que outros amigos e correligionários e admiradores da ex-governadora possam externar sua opinião sobre a injustiça que cometeram contra ela.

Seu afastamento que, temos certeza, é temporário, não se justifica juridicamente, pois o processo que Arnaldo moveu contra ela e o TRE acatou com o voto de minerva do presidente do Tribunal.

Enquanto aguardamos o julgamento do processo, podemos postar o que pensamos sobre o assunto, sobre sua administração, seus projetos para Campos e a covardia que o judiciário e a grande mídia pratica contra ela, Garotinho e Clarissa.

Para acessar o blog é fácil: voltarosinha.com 

Advogado concorda com o blog: Edson Batista é vereador

Embora sem autorização do autor, José Eduardo Pessanha, para publicar neste espaço o seu comentário, tomo a liberdade de fazê-lo porque, pelo que li, o homem entende de lei e corrobora o que venho, repetidamente, afirmando: Dr. Edson é vereador, e ponto. Vamos ao comentário:

"Em sintética análise sobre o caso sub examen, inclino-me pelo que, data máxima vênia, parece-me óbvio. A quaestio beira o nível da física elementar (assim como dois corpos não podem ocupar o mesmo espaço, um corpo não pode ocupar dois espaços – cargos – ao mesmo tempo!).
Não há como exercer, simultaneamente, o cargo de chefe do executivo e de membro do legislativo, notadamente neste caso, de presidente do legislativo local. Haveria, em tese, nesta esdrúxula hipótese, uma espécie de delegação de atribuições, o que seria vedado entre os poderes, com base no art. 1º, § 2º da LOM.
A fixação do efetivo de Edis é matéria legal e de finalidade pública, eis que representam os interesses diretos da população. O art. 6º da LOM define, de forma lato senso, a composição do Legislativo. Assim, não é crível que uma “interpretação teleológica forçosa” venha a subverter aos Direito do Povo em sua representatividade legislativa.
Invocar o art. 15º, II c/c art. 16º, §2º, da LOM não tem aplicação legal à espécie, eis que o exercício do cargo de chefe do Executivo está além da conceituação estrita de “missão temporária de interesse do Município”, alem de que a assunção do cargo é de obrigação legal, independente de autorização da Mesa Diretora do Legislativo.
Parece-nos, s.m.j., que a hipótese de assunção da vaga se amolda, por simetria legal, ao disposto no art. 56, inciso I e § 1º da CRFB/88, que dispõe:

Art. 56. Não perderá o mandato o Deputado ou Senador:
I - investido no cargo de Ministro de Estado, Governador de Território, Secretário de Estado, do Distrito Federal, de Território, de Prefeitura de Capital ou chefe de missão diplomática temporária;
§ 1º - O suplente será convocado nos casos de vaga, de investidura em funções previstas neste artigo ou de licença superior a cento e vinte dias.
Ora, a assunção do cargo público/político de prefeito municipal, por investidura judicial, proporciona a convocação do respectivo suplente, a fim de manter a representatividade legal do Legislativo, com composição nos termos do art. 29, IV da CRFB/88.
Cabe, ainda, sem a intenção de exaurir o tema, analisar os Direitos Políticos do suplente, eleito, com as condições de elegibilidade e pleno exercício dos Direitos Políticos, nos termos do art. 14, § 3º, II da CRFB/88, eis que o cidadão nesta conditio não pode ter obstado o direito a posse na vacância da edilidade, até porque não há lei expressa obstativa (art. 5º, II da CRFB/88)
Por derradeiro, o art. 71 do RI da Casa de Leis local se amolda mais ao caso em questão do que o óbice do art. 15º, II c/c art. 16º, §2º, da LOM.
Ex positis, tendo em vista a vacância na edilidade, por força da assunção pelo então Presidente do Legislativo do cargo de Prefeito Municipal, por decisão judicial, há de se convocar nos termos da LOM o suplente imediato, por ser Justo e Legal.
Cordialmente, com devido respeito as opiniões contrárias,
José Eduardo Pessanha - Advogado

Edson Batista é vereador enquanto Nahim for o prefeito

Tenho dito e repetido: Dr. Edson é vereador, enquanto Nahim ocupar a pasta de prefeito do município. O resto é cinismo, oportunismo, mau-caratismo e, talvez, medo que Dr. Edson, uma pessoa séria, de conduta ilibada, saiba de alguma coisa errada e possa denunciar.

A Câmara é constituída de 17 vereadores. Nahim saiu para ocupar a chefa do executivo e o suplente deve assumir, automaticamente. Dizer que Nahim é vereador e prefeito ao mesmo tempo não pode ser ingenuidade (ingênuo não chega àquela Casa); é sim, desfaçatez, para não dizer outra coisa.

Colônia de Férias em Conselheiro Josino

Foi aberta ontem, na Casa de Cultura Poeta Antônio Silva, em Conselheiro Josino, a sua primeira Colônia de Férias, sob o comando do diretor das Casas de Cultura da Fundação Oswaldo Lima, Wilson Heidenfelder. Dezenas de crianças participam e, maioria delas, pela primeira vez.

A programação não é apenas de entretenimento. As crianças se divertem com as oficinas e, ao final, na próxima quinta-feira, dia 05, apresentarão um trabalho, a partir do que aprenderam brincando. No dia 05 também será realizada uma programação infantil variada, com brincadeiras diversas, atores vestidos com roupas de personagens infantis bastante conhecidos da garotada.  

Festa de São Salvador com programação para toda a família

O prefeito Nelson Nahim, ao lado da esposa Nélia, do presidente da Fundação Oswaldo Lima, Avelino Ferreira e diversos secretários municipais, presidentes de fundações e empresas e de Gustavo, representando a Diocese de Campos, anunciou a programação oficial da 358º Festa do Santíssimo Salvador, a maior e mais antiga de Campos.

Além da programação religiosa, que começa nesta sexta-feira e termina no dia 08, serão realizados vários shows, a 66ª Corrida Ciclística, o 7ª Festival de Remo e a 5ª etapa do Campeonato Regional de Kart. O palco será o mesmo do ano passado, o geospace, que será instalado no mesmo local, em frente ao chafariz da praça das Quatro Jornadas.

Todas as barracas serão padronizadas e com uma novidade: não haverá cobrança de taxa. O Canteiro de Barracas da Catedral também terá barracas padronizadas, como em 2009 e o palco em arco, tal qual ocorreu no ano passado.

Toda programação foi elaborada juntamente com a Diocese:

No palco em arco, ao lado da Catedral teremos, sempre após a missa das 19 horas:
dia 29 - Simpatia Júnior
dia 30 - Maria Fernanda e Banda
dia 31 - Dom Américo, Valéria Sá e a Banda da Polícia Militar
dia 04 - Rogério Bicudo e banda (ele acaba de chegar de Amsterdã, onde reside)
dia 05 - Sandro Bali
dia 07 - Lene Moraes

No palco geospace:
dia 05 - Gian & Giovani
dia 06 - Celina Borges e, após o espetáculo pirotécnico, Átila e Charles
dia 07 - Swing Simpatia e, logo a seguir, Dibobeira
dia 08 - Maria Cecília e Rodolfo e, logo após, Gil Paixão.

Uma programação para toda a família, como ocorreu em 2009 e que, por certo, levará milhares de pessoas todas as noites à praça do padroeiro.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Artesanato no Palácio da Cultura

Começa amanhã, dia 27, a mostra dos trabalhos de professores e alunos dos cursos de Artes e Ofícios da Fundação Oswaldo Lima no Palácio da Cultura. Peças as mais variadas, em tecido e porcelana, material feito com argila, tricô crochê, doces e salgados e muitos outros estarão à mostra e à venda.

Vale a pena a conferida que poderá ocorrer durante todo o dia.

O adeus a Rogério Barata

Um amigo comum telefonou para infomar que Barata teve um infarto e morreu. Pensei logo em Ronald Barata, sindicalista no Rio de Janeiro e que caminhou com a gente durante muito tempo, após o retorno de Brizola ao Brasil.

Mas não. Tratava-se de Rogério Barata, nosso amigo de caminhadas no início do movimento que levou Garotinho ao Vila Maria. Há pouco, li nota de Fernando Leite sobre ele e, chegando à casa, posto a notícia triste. Barata tinha 51 anos e deixa saudades. Tínhamos uma relação de amizade que não sofreu um arranhão, mesmo quando ficamos em lados opostos na política. Embora atrasado, o adeus desse seu amigo! 

Nahim marca para esta terça-feira o anúncio oficial da festa ao padroeiro

Ficou para esta terça-feira, às 10 horas, na sede da Prefeitura (provisoriamente na Fundenor) o anúncio oficial da 358ª Festa do Santíssimo Salvador. O anúncio será feito pelo prefeito interino Nelson Nahim, tendo ao lado as secretarias e fundações envolvidas diretamente com a festa e o representante da Catedral.

A festa, sob a responsabilidade organizacional da Fundação Oswaldo Lima, terá a mesma estrutura do ano passado e que foi aprovada por toda comunidade, acrescida do brilho da queima de fogos. Na verdade, um espetáculo pirotécnico nunca visto antes no centro da cidade.

domingo, 25 de julho de 2010

Comentário sobre o espanto e o choro de Cristina Lima

Li no blog de Cláudio Andrade que a ex-presidente da Fundação Oswaldo Lima  nos governos Garotinho e Sérgio Mendes (1989-1996) e ex-presidente da Fundação Trianon no governo Mocaiber (2008), Cristina Lima, é favorável às câmeras nos banheiros das escolas. Está indignada porque ninguém (?) reclama da reforma no Jardim do Liceu, mas faz alarde com as câmeras nos banheiros do Liceu, que deve tê-las, segundo ela, porque existem lá 3.400 alunos.

Gosto de Cristina e não vou ser irônico. Até porque ela está com vontade de chorar. E temos que respeitar seu choro. Também não quero ver uma senhora de idade chorando porque reformaram, sem autorização dos órgãos competentes, uma praça. Seria só a do Liceu? Sim, porque outras praças estão sendo reformadas. Mas não importa. Seu choro tem que ser respeitado.

E, no caso das câmeras, como ela é fã incondicional dos big brothers, com câmeras para tudo que é lado, estou quase mudando meus conceitos sobre câmera escondida (sempre achei um desrespeito, um absurdo, atitude de frustrados (jornalistas ou não) porque vivemos numa democracia. Sim, porque quem usa do artifício da "câmera escondida" para dedurar pessoas (em atos ilícitos ou não) gosta mesmo é de uma ditadura. A democracia tem suas regras e uma legislação que dá o direito a todo cidadão buscar uma investigação sobre qualquer fato. Se fazem mal uso delas, deve-se denunciar seus fraudadores.

Mas daí a querer evitar, pelo medo da "prova cabal" de uma quebra de regra, através de câmeras escondidas, gravações escondidas, fotos escondidas, enfim, um ato que a sociedade não aceita, é conformar-se e até aprovar uma escuta telefônica na sua casa, no seu carro. É aprovar um detetive particular no seu encalço para saber onde se está indo, com quem conversa, com quem se encontra.

Talvez seja a idade. Quando ficamos velhos como estamos agora, em geral, já não "aprontamos" e passamos a exigir policiamento para aqueles que fazem o que fazíamos escondidos de nossos pais. Queremos vigiar. principalmente quando nos sentimos vazios e quremos cuidar da vida dos outros. Queremos tudo certinho, pois já velhos, não conseguimos mais fazer  erradinho.

Que coisa, hein?

Quanto à praça do Liceu (e outras), não opino porque desconheço as opiniões sérias contrárias. A de Cristina estou sabendo agora porque li o blog do Cláudio. Creio que ela já ingressou na Justiça para cobrar uma atitude mais firme. Mas, quanto às câmeras escondidas, ainda continuo contra todas, em qualquer lugar e circunstância. Estou velho mas não estou morto (ainda), embora com o pé próximo à cova. E continuo com os mesmos princípios de quando era jovem, sempre em favor dos direitos do cidadão (os jovens  se enquadram). 

Abaixo, a postagem de Cristina Lima, seu espanto e seu choro:

Vejo com grande espanto a reforma no jardim do Liceu, Que ignorou a proposta arquitetônica do coreto, qual seja A de simular pedras e galhos, assim como os bancos, tb Assassinados pela cal branca.
Será que o INEPAC autorizou isso? Cadê o COPPAM?
As plantas são totalmente inadequadas a espaços públicos e, se não houver uma vigilância permanente, serão furtadas numpiscar de olhos!
Isso incomoda menos do que uma câmera instalada no lavabo feminino de uma escola pública com 3.400 alunos?
Cadê a mídia? Cadê a imprensa? Cadê o Secretário?
De Cultura e Presidente do COPPAM? Cadê o sensacionalismo?
É gente, dá vontade de chorar...

Cristina Lima

Nelson Nahim anuncia nesta segunda a programação da festa ao padroeiro

O prefeito interino, Nelson Nahim, anuncia amanhã, às 10:30h, no seu gabinete (funcionando provisoriamente na Fundenor (Pecuária), a programação da 358ª Festa do Santíssimo Salvador.

Embora a responsabilidade da programação e da estrutura da festa, a maior da cidade, seja da Fundação Oswaldo Lima, é um evento que envolve diversas secretarias e departamentos da Prefeitura, como Limpeza Pública, Guarda Civil Municipal, Saúde, Codemca, Emut, Coordenadoria de Segurança, Governo, Postura, Coesa e Comunicação.

A programação da festa  foi elaborada em comum acordo com a Igreja e começa no dia 27. O ponto alto é o dia 06 de agosto, dia do Padroeiro da cidade. A festa prossegue até o dia 08, domingo e serão diversos espetáculos com bandas locais e nacionais, o que movimentará o comércio de bebidas e comestíveis, hotéis e restaurantes, além de muitos outros serviços compreendendo desde os ambulantes, montagem das barracas e toda estrutura de palco, som, luz, banheiros químicos, geradores, bufês de camarim, transporte regular e alternativo etc..

A festa, em seu início, no ano de 1652, se resumia a uma procissão em louvor ao padroeiro e as novenas, com muitas missas. Com o tempo e o aumento da população, a procissão passou a ser muito concorrida, principalmente pelas irmandades, que disputavam um lugar ao lado (na verdade, atrás) do andor que levava a imagem de Cristo. No século XX, a festa ganhou outros contornos e passou a contar com atrações que atraíam católicos e não católicos à praça. E, nos últimos 50 anos, espetáculos musicais que reúnem multidões.

Mais uma morte que abala Leninha

Faleceu hoje de manhã o meu amigo, figura humana excepcional e de uma simplicidade que deixava à mostra sua pureza. Trata-se de "irmão", como carinhosamente eu o chamava. Seu nome: Ozias Gomes da Silva, 65 anos, irmão da minha melhor e mais fiel amiga, Maria Helena Gomes da Silva, atriz, diretora de teatro, professora e atual vice-presidente da Fundação Cultural "Jornalista Oswaldo Lima".

"Irmão" será sepultado amanhã às 12 horas, no cemitério do Caju. Seu corpo está sendo velado na capela da Igreja Batista do Fundão. A dor de Leninha é imensa. Não só pelo carinho que sempre teve e recebeu do irmão, mas também porque já chorou a perda de outro irmão, do pai, e. mais recentemente, da mãe. Disse a ela que esse é um dos grandes problemas de vivermos muito tempo: assistirmos a morte de muita gente que amamos.  

Resposta a Roberto Moraes sobre pregão de fogos de artifício

Caro Roberto,
Na questão do "custo" dos fogos, que seu leitor extraiu do Diário Oficial, gostaria de comentar, para seu conhecimento e, claro, o de seus leitores, o seguinte:
O que a Fundação Oswaldo Lima contratou, via pregão, foi uma empresa para promover queima de fogos artísticos, na verdade, "espetáculos pirotécnicos". E foi na modalidade registro de preço. Ou seja, a Fundação vai pagar de acordo com o que usar, durante seis meses. O preço é unitário e o total é uma estimativa de gasto e não uma obrigação.
Os espetáculos pirotécnicos, para serem realizados como determina a lei, não são baratos, porque as exigências são tantas, devido à segurança, que o custo para uma queima de fogos é muito alto. Para se ter uma idéia, o órgão fiscalizador, DFAE, não permitiu a queima de fogos, ano passado, na festa do Santíssimo Salvador. A empresa cobrou pouco mais de 33 mil, venceu a licitação e não estava totalmente legalizada para fazer o serviço. O caminhão não era apropriado e os registros no Exército, no Ibama e no próprio DFAE, não estavam de acordo com as exigências. O Governo do Estado havia aprovado uma lei em fevereiro daquele ano, que fazia exigências impossíveis de serem cumpridas pelas empresas.
No atual registro de preços, procuramos os órgãos competentes e, nas exigências, incluímos tudo que é necessário. Por isso, vamos ter o espetáculo pirotécnico na festa do Santíssimo. Espetáculo, aliás, cobrado pela mídia no ano passado.
Para se ter uma idéia de custo, informo que a queima de fogos em Rio das Ostras, no reveillon, ficou em R$ 750 mil. Foram R$ 450 mil de fogos e R$ 300 mil de balsas. Em Cabo Frio, o reveillon ficou em R$ 630 mil, sendo R$ 330 mil em fogos e R$ 300 mil em balsas. O Rio gastou cerca de R$ 2 milhões em fogos. Isso só para o reveillon.
Em Campos, se usarmos balsas, teremos que pagar um rebocador oceânico, pois o nosso mar é "aberto" e precisa de um grande rebocador para que as balsas fiquem firmes num ponto. Sabe qual será o custo? mais de R$ 300 mil (só de balsa e rebocador).
O registro de preço que está sendo questionado pelo seu leitor e ironizado por um outro, tem um custo total estimado (exigência legal) para seis meses. Não quer dizer que vamos gastar aquele total, mas é bem provável, pois temos as festas tradicionais, incluindo dezembro, atendendo pedidos da comunidade, que incluem festejos aos santos padroeiros de algumas localidades.
A idéia que se tem de fogos é a de rojões, comprados por qualquer pessoa que, sem nenhuma segurança, sem experiência e colocando as pessoas próximas em risco, solta-os riscando um fósforo no diminuto pavio ou mesmo queimando esse pavio com a ponta acesa de um cigarro. O risco de acidente é grande e é proibido.
O poder público não pode, como ocorria antes, lançar esse tipo de rojão. Por isso mesmo, a Rosinha proibiu que cedêssemos fogos para as festas sem a contratação de uma firma especializada e com todas as garantias legais. Foi o que fizemos. Quem for à praça São Salvador no dia 06, verá um belíssimo espetáculo pirotécnico, com manipulação via computador, com música de acordo com a "dança" dos fogos e suas cores.
Creio ter esclarecido a questão, mas estou à disposição para explicar com mais detalhes. Se for preciso, trarei a Campos o empresário que promove espetáculos pirotécnicos no Brasil inteiro e que, inclusive, pode fornecer todas as informações que envolvem a queima de fogos no Brasil.
Abraços,

Avelino Ferreira
(presidente da Fundação Cultural "Jornalista Oswaldo Lima")

Tributo a Roberto Ribeiro: Um show inesquecível no Trianon


O Trianon nas comemorações de seus 12 anos de existência, tem levado ao palco excelentes espetáculos, mas o de ontem é histórico. Primeiro porque foi um grande show musical; segundo, porque juntou a nova geração de intérpretes, com Alex Ribeiro, e a velha geração, com a melhor voz do século XX, Elza Soares; e terceiro, porque foi um tributo ao pai de Alex, o campista Roberto Ribeiro, maior expoente da nossa música, que estaria completando 70 anos de idade e 50 de carreira, se vivo fosse.

Conheci Roberto Ribeiro quando ele se preparava para gravar seu primeiro disco e, numa mesa de bar, cantou, com sua voz aveludada, Estrela de Madureira. Nunca mais esqueci a letra e a melodia e é uma das minhas preferidas. Eu que sou mangueirense e ele, que era Império Serrano, cantando um sucesso imortal, que homenageia a Portela. Passados tantos anos, conheci seu filho, figura espetacular e, embora diferente do pai, pareceu-me ver Roberto, de novo, no palco. A madrinha de Roberto é a madrinha do filho, Alex. E o espetáculo que apresentaram, com um final apoteótico - com um show a parte do mestre sala Alex Marcelino e a porta-bandeira Rafaela -  vai ficar na história

Abaixo, a matéria que saiu no site da Prefeitura, feita por Wesley. As fotos são do meu amigo Wellington Cordeiro, que gentilmente cedeu-as para este blog. Coloquei a minha no final, junto com Gamboa, que, além de meu amigo há mais de 30 anos, é um excelente compositor e amigo e admirador de Roberto e que lá estava, ao lado do professor Orávio de Campos e Ariel Chácar, aplaudindo, emocionado, os sucessos de Roberto nas vozes de Alex e Elza. Mas vamos ler a matéria de Wesley::  

O Teatro Municipal Trianon ficou completamente lotado ontem (sábado, 24). Centenas de pessoas foram assistir ao Tributo a Roberto Ribeiro, com Elza Soares e Alex Ribeiro, que fizeram um grande show para delírio do público, que fez coro cantando a cada música executada. Sucessos como “Vazio”, “Resto de Esperança”, “Estrela de Madureira” e “Todo Menino é um Rei” agradaram em cheio à platéia. O evento foi uma realização da prefeitura, via Fundação Oswaldo Lima.

O presidente da fundação, Avelino Ferreira destacou a importância de eventos como esse: “Foi um show marcante, histórico. Alex Ribeiro e Elza Soares mantiveram viva a memória de Roberto Ribeiro”, falou Avelino. Elza Soares disse que Roberto foi a melhor voz masculina da música popular brasileira: “Vocês campistas, nós brasileiros temos a honra de ter conhecido a melhor voz masculina da MPB”.

Alex Ribeiro afirmou que seu pai tinha muito orgulho de ser campista: “Eu também tenho o maior prazer de vir aqui. Toda vez que venho aqui sou muito bem recebido. O sambista da velha guarda, Geraldo Gamboa, 81 anos, aprovou a iniciativa das Fundações Trianon e “Oswaldo Lima”: “Toda iniciativa que visa a evolução da cultura em Campos, que é uma necessidade, é louvável.

sábado, 24 de julho de 2010

Repúdio à linguagem usada por Cláudio para atingir Linda Mara

A forma como o advogado blogueiro Cláudio Andrade trata alguns fatos, referindo-se com humor de péssimo gosto a pessoas públicas, usando de analogia, ferindo a ética, a decência e os costumes civilizados, é uma atitude que deve ser repudiada por seus leitores com senso crítico. Eu sou um deles.

No episódio em que postei um comentário sobre Graciete Santana, uma ilustre maria-ninguém, enquanto ente público, Cláudio saiu em defesa da ética, acusando minha conduta de feri-la ao atingir, com certa ironia, a nobre professora. Muitos comentários favoráveis à sua postagem, postados por figurinhas carimbadas. Nenhuma, todavia, contra Graciete, que havia sido desleal quando baixou o nível nas acusações que fez a Rosinha Garotinho. Ou seja, contra Rosinha podem baixar o nível, mas contra Graciete não se pode escrever sequer uma frase irônica.

Agora, Cláudio tem usado, ferinamente, de analogias para tentar macular a imagem de pessoas que, até prova em contrário, nada devem à sociedade em termos de postura. Na postagem sobre o que ele considerou exoneração de Linda Mara, secretária particular da prefeita Rosinha, usou termos chulos, de mau gosto, sem referir-se nominalmente à ela e à sua irmã, Dinalva. Não é postura que se espera de um crítico que usa a mídia para expressar suas opiniões. Nem de um advogado que deseja ser respeitado.

Linda Mara não passou recibo (nem deveria) e esclareceu que foi ao prefeito interino, Nelson Nahim,  pedir seu desligamento do cargo porque entende que é uma função de extrema confiança de quem exerce a chefia do executivo. E Nahim, obviamente, deve ter um nome para ocupar a pasta, o que é normal. Até aí, nada demais, justamente porque está dentro da normalidade político/administrativa.

O motivo desta postagem diz respeito à forma como Cláudio Andrade tratou a questão e o linguajar chulo que usou para ferir, com sua tentativa de fazer graça na base do humor de Faustão antes da Globo (se na Globo ele é horrível, indecente, imaginem quando era mais escrachado!), uma profissional, uma cidadã, uma secretária que merece respeito.

Cláudio, quando quiser escrever sobre a minha pessoa, enquanto profissional, cidadão ou na função pública, espero que não use as tangentes, mas seja direto (como tem sido, aliás). Espero que deixe essa linguagem de lado e escreva como sabe, tratando as pessoas com o respeito que elas merecem.

Elza Soares no Trianon em tributo a Roberto Ribeiro

Alex Ribeiro e Elza Soares cantam em homenagem a Roberto Ribeiro

Roberto Ribeiro faria 70 anos na terça-feira (20) se ainda estivesse vivo

Imperdível! Elza Soares, parceira de Roberto Ribeiro, agora madrinha do filho, Alex Ribeiro, estará hoje, no Teatro Trianon, para um tributo ao cantor de maior projeção da planície, Roberto Ribeiro, com entrada franca.

O evento, promovido pela Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima, faz parte das comemorações dos 12 anos do Trianon. A Fundação, que promoveu um tributo a Eli Miranda, um dos nossos maiores intérpretes, traz uma das maiores cantoras do século XX, em votação que reuniu críticos de boa parte do mundo.

Elza está no mesmo nível de Ella Fitizgerald, Billy Holliday e, considerada por muitos, até melhores que as duas, dada a diversidade de linguagem musical que a brasileira tem e domina, enquanto as duas estão amalgamadas ao jazz e ao blue.

Preparando-se para uma turnê no exterior, juntamente com Alex Ribeiro,que ela quer apresentar ao mundo por considerá-lo um excelente intérprete do samba, Elza Soares vai nos brindar com esse tributo, pelo qual foi aplaudida (ela e Alex) de pé no Teatro Rival do Rio de Janeiro há poucos dias.

Ainda sobre o encontro de Garotinho e Peregrino com a população da Baixada


Garotinho critica Cabral, que foi considerado por ele como traidor do povo

Peregrino vai retomar o projeto dos CIEP's

Rosinha, Garotinho e Peregrino unidos pelo Estado do Rio

Garotinho teve dificuldade para chegar ao palco tamanho era o número de pessoas que queriam abraçá-lo e desejar-lhe boa sorte

Garotinho recebe o carinho do povo, que promete lhe dar uma estrondosa votação

Garotinho,embora cansado da maratona pelo noroeste, mostrou todo seu contentamento e espargia alegria ao chegar a Goitacazes na noite de ontem e ver a multidão que foi ao Clube Recreativo Goitacá para vê-lo e ouvi-lo. O jingle de sua campanha foi cantado pelos presentes e ele, ao discursar, fez duras críticasa Cabral, dizendo que o candidato ao Governo do Estado,Professor Peregrino, ao contrário de Cabral, nunca traiu o povo e merecia o voto de seus eleitores e do povo do Estado.

Ao chegar, Garotinho teve dificuldade para chegar ao palco, onde Rosinha discursava, pois todos queriam abraçá-lo. Na saída, também nãofoi fácil chegar até o carro que o conduziria, juntamente com Peregrino, ao comício do Parque Eldorado.

Em seus discursos, tanto Rosinha quanto Garotinho  lembraram que ela, quando saiu candidata a governadora, nãotinha mais que 2% nas pesquisas. Beneditada Silva edra a governadora e disputava a preferência do eleitorado comooutro favorito,o ex-prefeito de Niterói Roberto da Silveira. No final, ela ganhou no primeiro turno. Portanto, segundo eles, Peregrino pode surpreender,quando o povo souber que ele é o candidato do Garotinho, exatamente como ocoreu com a Rosinha.

Alguém lembrou que o Brizola, em 82, também tinha 2% no início da campanha, quando Sandra Cavalcanti gozava da preferência de cerca de 60% da população. Brizola venceu a eleição, com Moreira Franco (candidato do governo federal) em segundo e Miro Teixeira (candidato do governo do estado) em terceiro. Acredita Garotinho que se o povo aliar onome de Peregrino ao seu, a eleição vai para o segundol turno e Peregrino vence de Cabral, tendo os dois o mesmotempo de televisão.    

Garotinho inicia campanha em Campos por Goitacazes

O Clube "redondo", em Goitacazes, ficou pequeno para uma verdadeira multidão que lotou suas dependências e a calçada em frente para ver e ouvir o ex-governador Garotinho, agora candidato a deputado federal, o candidato do PR ao Governo do Estado, Fernando Peregrino, o candidato ao Senado, Waguinho e a prefeita afastada pelo TRE e que aguarda julgamento de recurso no TSE, Rosinha Garotinho.

Enquanto Garotinho, Peregrino e Waguinho eram aguardados, vários candidatos usaram a palavra, como o deputado federal Geraldo Pudim, que concorre a uma cadeira na Alerj, Roberto Henriques, também candidato à Assembléia, Paulo Feijó, candidato à Câmara Federal e Rosinha, muito aplaudida pela multidão. Suledil Bernardino comandou a reunião e Garotinho foi ovacionado ao chegar, no momento em que Rosinha falava.

Rosinha, após dizer do sofrimento de sua família com as perseguições que vem sofrendo, de sua cassação por causa de uma entrevista na rádio Diário, caso único no país, disse que seus candidatos a deputado estadual são Pudim e Roberto Henriques e a juventude faria campanha para Clarissa, sua filha. À federal, Garotinho e Paulo Feijó, ao Governo do Estado, Fernando Peregrino e ao Senado, Waguinho.

Estavam presentes grande parte dos secretários municipais e o prefeito interino Nelson Nahim, que saiu mais cedo porque tinha um compromisso - iria viajar com a esposa. Vários vereadores também marcaram presença, como Albertinho (que depois, seria elogiado por Garotinho), Kelinho, Gil Viana e Vieira Reis, também lembrado por Garotinho como um dos candidatos a deputado estadual da coligação que merecia o voto da população. O mesmo fez em relação a Davi Loureiro, que chegou pouco antes dele.

Garotinho falou de algumas pessoas que o traíram. Na verdade, muita gente que estava ali, aplaudindo-o, iniciou a vida política com ele e o abandonou, ficando ao lado de Arnaldo e Mocaiber. Sem rumo (e sem um "carguinho", voltou ao ninho na "esperança de dias melhores". Garotinho citou nominalmente Sérgio Cabral, que o traiu e ainda acabou com os programas sociais de seu governo. Citou João Peixoto e pediu que não votassem nele. E apresentou Peregrino, "um homem de bem, um cientista que atuou com Brizola e Darcy, comigo e com Rosinha e, quando todos traíram Garotinho, ficando ao lado de Cabral, Peregrino deixou o governo, ficando fiel aos seus princípios".

Garotinho e Peregrino tiveram ontem um dia cheio: começaram por Pureza, passando por Cambuci, Itaocara, Aperibé e Bom Jesus do Itabapoana. E ainda iria a um compromisso no parque Eldorado, em Guarus. Foi difícil para ele sair do clube, pois todos queriam abraçá-lo. O mesmo aconteceu com a prefeita Rosinha, que recebeu flores e muitos abraços e desejo de boa sorte.   

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Garotinho e Peregrino em Campos

O Garotinho (2258) estará hoje em Campos, juntamente com o candidato a governador Peregrino (22), após uma maratona pelo noroeste fluminense - Cambuci, Itaocara, Aperibé, Bom Jesus do Itabapoana e Itaperuna. A programação termina com um comício no Parque Eldorado, em Campos.

Será uma boa oportunidade para que as pessoas ouçam o que tem a dizer o professor Peregrino, quais suas propostas para o Governo do Estado e, obviamente, ouvir mais uma vez o Garotinho.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Políticos oportunistas reunem-se na Associação de Imprensa

Os políticos que se reúnem (na Associação de Imprensa, por enquanto) para unir legendas díspares em torno de um projeto para Campos e em torno da unidade numa provável eleição extemporânea, caso seja confirmada a cassação da prefeita Rosinha Garotinho, são oportunistas.

Primeiro, quero dizer que é uma provocação, um aval à injustiça contra Rosinha e um conformismo inimaginável por parte de lideranças políticas. Rosinha foi cassada pelo TRE/RJ numa votação espúria, num julgamento eminentemente político, com um voto de desempate que, em qualquer circunstância, deveria ser em favor do acusado. Isso porque, se houve empate de 3 a 3, é sinal claro, evidente, que não havia provas contundentes para a culpabilidade do acusado (no caso, Rosinha).

O motivo alegado não gera punição como a que foi infligida à prefeita, mas tão somente uma multa, como vem sendo aplicada a Lula, Serra, e Dilma, por uso indevido de propaganda eleitoral antes do tempo previsto em lei. Para se ter uma idéia, é só pensar que não foi o Ministério Público que moveu ação contra ela, mas sim Arnaldo Vianna, que nem poderia, porque não era candidato e só na condição de candidato poderia ingressar com tal ação.

O dever de todo cidadão de bem é mostrar sua indignação com a injustiça, que pode atingir qualquer um a qualquer tempo. Mas o que constatamos é a conformidade com a injustiça e mesmo sabendo que o TSE vai, ainda, julgar o mérito para saber se Rosinha retorna ao cargo, que é um direito seu, essas lideranças se reúnem para discutir a unidade tendo em vista uma nova eleição em Campos. Para mim, um desrespeito a uma pessoa que foi eleita após uma campanha limpa, dando um fim à corrupção que era a tônica por aqui fazia tempo. nem os adversários podem dizer que houve um ato imoral ou ilegal da prefeita.

O momento é de nos unirmos a ela para que reassuma o cargo. A partir daí, cada um busque suas alianças para as eleições que se aproximam e, mais tarde, para derrotá-la ou ao candidato indicado por seu grupo político, na eleição de prefeito de 2012. Se torcem para que ela continue afastada, mesmo sabendo que o que fizeram com ela é uma covardia, uma perseguição política, só nos resta classificá-los de oportunistas, não merecedores do nosso apreço e, muito menos, do nosso voto.  

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Reflexão sobre os últimos governadores

Os eleitores devem aproveitar a estada de Sérgio Cabral no município (dizem que ele chega nesta quinta para inaugurar uma UPA) e refletir, já que estamos em campanha eleitoral e ele é candidato: Aos mais velhos, pergunto: o que Faria Lima, Chagas Freitas, Moreira Franco, Marcelo Alencar e Sérgio Cabral fizeram por Campos? Listem o que fizeram e comparem com as administrações de Brizola, Garotinho e Rosinha.

Aos mais novos, Listem o que Marcelo Alencar e Sérgio Cabral fizeram por Campos. Comparem com o que fizeram Garotinho e Rosinha. Mais ainda: será que as pessoas ainda se lembram que Marcelo Alencar foi nosso governador de 1995 a 1998? Que Moreira Franco foi nosso governador de 1987 a 1990? Pergunto, porque dos governadores recentes, lembramos de Brizola, Garotinho e Rosinha. E sabem por que? Porque eles fizeram muito por Campos e pela região. Quem não fez a gente esquece.

Então, qual o motivo para se votar novamente em Sérgio Cabral? nem as elites têm motivos para nele votar. Pode votar por interesses pessoais, raivinha dos adversários, agradecimento a cabos eleitorais. Mas não porque ele merece por ter realizado algo em prol do povo de Campos e do interior. Não me refiro à capital, mas poderia, porque esse moço só fez mal ao nosso Estado. Fez bem a ele e aos seus amigos seletos.

Nunca imaginei Peregrino candidato a governador. Sinceramente. Mas acompanho sua trajetória (ao lado de Brizola e Darcy, depois, de Garotinho e Rosinha) há quase 30 anos e sei da sua competência, sua discrição, sua honestidade, seu amor à causa pública, seu amor ao povo. Aliás, o amor ao povo é que o uniu, ainda jovem, ao veterano Darcy Ribeiro. Agora, é o candidato do Garotinho, do Pudim, do Roberto Henrique, da Rosinha, da Clarissa, enfim, é o nosso candidato ao Governo do Estado. E entreos postulantes, por mais que se admire o Gabeira, o Cyro, nenhum deles se compara em competência e amor à causa do nosso povo como Peregrino.

Edson Batista já é vereador e vai assumir a cadeira na Câmara

Continuo a dizer que Edson Batista é vereador. Não entendi o porque do vereador ir à Justiça para reivindicar um direito seu. Além do mais, os poderes são independentes numa democracia e o legislativo é que tem que resolver seus problemas internos. O recurso judicial só será necessário se os vereadores impedirem a posse de Edson, o que seria um absurdo.

A Câmara é constituída de 17 vereadores. Nahim saiu para assumir interinamente a Prefeitura. Então, ficou com 16. Não pode. O primeiro suplente assume automaticamente. Todavia, talvez porque seja Edson Batista, um vereador que não faz da política um negócio, criou-se essa celeuma. Advogados analisam o regimento da Câmara e, em dúvida, a direção da Casa recorre ao Judiciário. O Judiciário determina (?) que o legislativo resolva seus problemas, ou seja, dê posse a Edson. E comete o que prefiro denominar de gafe, para não dizer outra coisa: que a Câmara se reúna e, por maioria simples, vote e emposse Edson.

Uma vergonha para o Legislativo. Não há que se dúvida alguma. Pode ser má vontade, mas dúvida, jamais. Edson Batista é vereador e pronto. A sugestão (ou ordem?) do juiz é que a Câmara vote. E se votar contra? A Câmara ficará com 16 vereadores? Será que se o caso atípico (nem tanto) ocorrer no Judiciário, vai se recorrer ao Legislativo para saber se o presidente do Tribunal ou o juiz que assumir uma prefeitura pode ser substituído?

Já disse em mais de uma oportunidade e repito: Edson Batista é vereador até o retorno de Nelson Nahim, quando Rosinha voltar a ocupar a chefia do executivo. Ao retornar, a posse de Nahim será imediata, não necessitando de reunião plenária para saber se ele tomará posse ou não. Edson é suplente enquanto Nahim, titular, estiver no cargo. Nahim na Prefeitura, Edson é titular. A cadeira é sua por direiro.   

Elza Soares em Campos em homenagem a Roberto Ribeiro

No sábado, dia 24, estarão em Campos, participando das comemorações dos 12 anos de inauguração do Teatro Trianon, Elza Soares e Alex Ribeiro, num tributo ao campista de maior expressão na música popular brasileira, Roberto Ribeiro. Show apresentado no Rio de Janeiro e que emocionou a todo o público e aos amigos de Roberto que estaria completando 70 anos ontem, se vivo fosse.

Com orgulho, nós, da Fundação Oswaldo Lima, trazemos este show, com entrada franca, para os campistas, em parceria com o Trianon. Promovemos o Tributo a Eli Miranda, um dos nossos melhores intérpretes. A Zumbi dos Palmares promoveu o encontro dos Bambas da Planície (inclusive com lançamento de um CD) reunindo muitos bons intérpretes para as músicas de Gamboa, Manoel Tancredo e Jorge Chinês.

Agora é a vez de Roberto Ribeiro, com uma das melhores cantoras do mundo, que é Elza Soares, amiga e parceira de Roberto e, agora, madrinha do filho, Alex Rineiro. Um espetáculo imperdível e que contará ainda com o mestre-sala e a porta-bandeira da Império Serrano, escola de samba pela qual Roberto era apaixonado.

terça-feira, 20 de julho de 2010

Cabral e os "30 anos de destruição" da educação

Do Blog do Thiago Ferrugem, extraí este comentário que considerei  importante importar:

"Quando eu achava que não podia mais esperar nada que viesse de Cabral, eis que me deparo com esta notícia da edição digital de O GLOBO. “Cabral atribui fracasso dos colégios estaduais fluminenses no Enem a ’30 anos de destruição’ da rede de ensino”.
Cabral tenta com esta frase justificar o fracasso das escolas públicas do Rio de Janeiro na prova do ENEM jogando a culpa nos governos anteriores. Não seja besta Cabral.
Nos últimos 30 anos nós tivemos grandes estadistas que investiram pesado na educação, cito como exemplo Leonel de Moura Brizola, que junto com Darcy Ribeiro implementou os CIEP’s, que davam educação de qualidade em tempo integral e foram modelos de gestão educacional em vários lugares do Brasil e do mundo, sem falar na implementação da UENF.

Outro exemplo latente foi Anthony Garotinho e conseqüentemente Rosinha Garotinho. Quando Garotinho assumiu o Estado o número de alunos matriculados no ensino técnico era de 42.000, ao deixar o governo este número foi multiplicado por 11, Garotinho e Rosinha reformaram centenas de escolas em todo o Estado, só em campos foram mais de 15, enquanto Cabral só reformou 1 escola e ainda por cima foram os alunos que tiveram que entrar com um pedido no MP para que a escola entrasse em obras, Garotinho ainda terminou de construir os 70% restantes a UENF, que na época ficaram paradas no Governo Marcelo Alencar, e ainda Garotinho fez a UEZO (Universidade da Zona Oeste).
Agora te pergunto Cabral. Quantas escolas você reformou? Quantos CIEP’s você obrigou a se municipalizarem? Quantas Universidades você construiu?
Agora só falta ele dizer que a culpa da violência em todo o Estado é do goleiro Bruno. Não duvidem disso.

Os uenfezados são (ou estão) doentes?

Com tofos os problmas que temos no município, a partir do fim da corrupção que caracterizou os governos Arnaldo/Mocaiber, Campos voltou a ser um bom lugar para se viver, dentro do contexto ruim de país rico com uma divisão de renda catastrófica para a maioria. Raríssimas são as cidades que estejam em situação melhor que a de Campos.

Todavia, o nosso pessoal da UENF acha o contrário. Para aquele pessoal, não háuma cidade pior que Campos. O que estão fazendo aqui, não sei. Muita gente é de fora - alunos e professores - e poderiam muito bem voltar para seus lugares de origem. Mas não. Vivem, segundo eles, na pior cidade do país e continuam. Será que são masoquistas? Reclamam sempre dos salários (quanto ganham mesmo? Pergunto, porque nunca dizem quanto.), mas continuam. Os alunos são "eternos insatisfeitos" com tudo. Mas continuam. Será por que?

Minha irmã passou para o concurso da UENF na área administrativa. Trabalhou 45 dias e pediou demissão. Motivo: a UENF é um mundo a parte que ela não queria fazer parte. Quem está lá, não sente o mundo real, fica o dia inteiro sem ver pessoas. Passou em outro concurso, desta vez,. municipal, ganhando menos da metade e foi serservidora do município. O mundo que ela escolher tem vida. A UENF, na sua opinião, não tem. E esse mundo a parte só reclama. Esse pessoal deve viver muito mal. E o pior, por escolha própria, pessoal. Só pode ser doença.  

Desabafo sintético de um dinossauro

A modernidade elimina profissões e cria outras. Muitas outras. Todavia, a tecnologia faz com que tudo seja mais rápido e o consumo é exarcebado, pois as riquezas não estão no campo, mas nas linhas de montagem cada vez mais sofisticadas e internacionalizadas. Com isso, a necessidade de mão-de-obra é cada vez menor, principalmente quando as máquinas quase humanas substituem os humanos.

O capitalismo, como dizia o velho Marx, cria necessidades e os psicólogos, sociólogos e outros logos são usados para que a propaganda atinja o cérebro humano, que introniza o desejo pelos mais variados produtos, muitos dos quais ou não são úteis ou não são utilizados. O telefone é necessário; o celular é necessário; o carro é necessário; enfim, uma infinidade de coisas passa a ser "necessária". Para gerar o consumo ainda maior, fabrica-se tudo com pouco tempo de vida. Um exemplo: o pára-choque é de plástico e não pára choque nenhum.

Os humanos, tornados consumidores, são meras mercadorias. Vivem mais que os produtos porque o capitalismo só gera riqueza com o humano vivendo mais e cada vez mais em maior número. Os produtos, por sua vez, duravam 30, 40 anos e hoje são fabricados para durar cinco anos. A partir daí, é só gasto com peças para que a indústria venda sempre. Mesmo assim os desenhos das peças mudam constantemente. Mesmo assim os produtos são "aperfeiçoados" constantemente, gerando a "necessidade" da renovação.

O capitalismo, assim, está sempre se refazendo. E a publicidade constante diz que "sempre foi assim" e que, portanto, "é tudo normal". E, por mais absurdo que possa parecer, assim como a indústria das armas não pode fechar, dado que há muita gente e muito dinheiro em jogo, a mortalidade, a doenmça, a marginalidade, as dores de toda sorte, incluindo os desníveis sociais é que geram o acúmulo de riqueza. Aliás, o Produto Interno Bruto cresce com as mazelas sociais, a miséria, os baixos salários, os excluídos.

Como uma pessoa comum poderá entender que tudo isso é criação de quem comanda, quem tem o poder? Sim, porque ao comum, a culpa é dele, de não estar "bem na vida". Não sabe que é o sistema que faz tudo isso. E quem manipula o sistema? Os grandes capitalistas e aqueles que lutam para ser um deles. E o que fazemos nós, que sabemos como e porque as coisas são como foram elaboradas pelas elites gananciosas de todos os tempos? Resistimos, quase sem forças para mudar o statu quo. A pobreza de espírito aumenta, mais ainda que a pobreza econômico/financeira. Assim caminha a humanidade...

domingo, 18 de julho de 2010

Nosso artesanato e a busca de uma identidade cultural

O prefeito em exercício, Nelson Nahim, ao abrir a 10ª Rancheirada da Casa de Cultura José Cândido de Carvalho, em Goitacazes, na última sexta-feira, visitou a exposição de artesanato, acompanhado de sua esposa Nélia e assessores. Conversou com os artesãos, admirou os produtos expostos, principalmente os de material reciclado. Soube que a Casa mantém cursos de artes e ofícios com mais de 400 alunos e elogiou o trabalho da Fundação Oswaldo Lima.

Ao falar na abertura da Rancheirada, disse que vai continuar o trabalho que vinha sendo realizado pela Rosinha em todos os níveis. No que tange à qualificação demâo-de-obra, a prefeita criou a Secretaria de Trabalho e Renda para proporcionar ao nosso povo condições de qualificar-se para o mercado de trabalho. E aos artesãos, cursos  diversos e condições de venderem seus produtos, aperfeiçoando-os e diversificando o material utilizado. A Codemca, via Mãos de Campos, viabiliza a comercialização, organizando melhor a feira e buscando mais espaços para tal finalidade.

Nesse contexto, a Fundação Oswaldo Lima manteve os cursos já existentes, ampliando-os e diversificando-os, não apenas para atender às necessidades comerciais dos artesãos, mas buscando o uso, cada vez mais, de material reciclável na confecção dos produtos, assim como novos designers. Nossos artesãos são excelentes, porém, há necessidade de uni-los em torno de uma proposta comum, que inclua preservação do meio-ambiente, solidariedade, cooperativismo e busca de uma identidade cultural.

Temos hoje mais de 1.400 alunos nos cursos ministrados no Palácio da Cultura, e nas casa de cultura de Goitacazes, Conselheiro Josino e Farol de São Thomé, com instrutores muitos bons sob a coordenação de Roney Brandão, que também é um artista instrutor. Estamos em entendimento com a UENF e a Ong Ecoanzol, que tem larga experiência na área e vamos concretizar o desejo nosso e da Rosinha, que é o de ter cadastrados os artesãos, a partir dos grupos de interesse e proporcionar um "boom" do nosso artesanato.

O primeiro grande passo nesse sentido foi dado no ano passado com o Luxo do Lixo, quando promovemos uma mostra do artesanato regional, incluindo os cursos desenvolvidos na FAFIC, com oficinas na praça e um desfile de moda só de material reciclado. Enquanto "trabalho e renda", a Secretaria criada por Rosinha cumpre seu papel e, enquanto arte e cultura, a Fundação Oswaldo Lima cumpre o seu. E sabemos que Nahim, enquanto estiver à frente do executivo, dará todo apoio ao projeto de fortalecer o nosso artesanto e, com ele, a identidade cultural desse fazer no nosso município.

Obra para ser divulgada, elogiada!

A duplicação da Estrada do Açúcar da Usina Santo Antônio até Goitacazes, conquista da prefeita Rosinha (a estrada é de responsabilidade estadual), é obra para ser divulgada, elogiada. Que seja feita no mais breve espaço de tempo possível. Junto com o bairro legal em Donana e a reestruturação e remodelação do Hospital São José, a obra vai mudar o visual do "portal da Baixada", proporcionará mais segurança, comodidade e conforto à população e aos veranistas e mostrará a todos que, com o dinheiro dos royalties bem empregado, a cidade muda, proporcionando uma melhor qualidade de vida para todos. É o que deseja a Rosinha e todos que com ela comungam as mesmas idéias. Aliás, repito que, em um ano e meio, Rosinha investiu mais em benefício da população que os governos de 1998 a 2008.

Retorno ao "prumo"

Excrevi sobre a falta de rumo de grande parte dos blogs, porque o Garotinho já não estava mais na disputa do Governo do Estado, a Rosinha cassada e a filha por ser cassada e fui apedrejado virtualmente. Mas vejam (leiam) os blogs e constatarão: o Garotinho saiu do foco e os blogueiros (em grande parte), perderam o "mote".

Alguns ainda insistem em falar dele e sobre ele, porque foi incluído covardemente pelo TRE na lista dos que ainda precisam limpar a ficha. Estarão satisfeitos se lhe tirarem o direito de concorrer à Câmara Federal. Mas isso vai passar e, por justiça, sua candidatura seguirá normalmente até a vitória nas urnas. Assim como sua filha Clarissa será eleita e a Rosinha voltará ao cargo que, por direito, lhe pertence. E nossos blogueiros terão o prumo novamente...

sábado, 17 de julho de 2010

O movimento de teatro em Campos recomeça com o Curso Livre da Fundação Oswaldo Lima

Nas décadas de 1960, 70 e 80, o teatro em Campos apresentava uma efervescência salutar, digna das tradições da planície. O livro do professor João Vicente Alvarenga sobre essas três décadas do teatro em Campos mostra, com propriedade, a força dessa arte, a intensidade do movimento via Associação Regional de Teatro Amador - ARTA, com duas dezenas de grupos, a participação em festivais, a eleição de artistas nossos para a direção da Federação de Teatro do Estado, quatro e´às vezes,. cinco espetáculos ao mesmo tempo sendo anunciados...

A década de 1990, mesmo com alguma queda na produção, queda provocada pela falta de interesse das faculdades em manter um grupo de teatro em atividade e pela falta de renovação de atores, diretores e técnicos, manteve um bom ritmo, com os grupos, embora em menor quantidade, apresentando bons espetáculos.

Em 1997, atendendo uma sugestão nossa, Garotinho, que havia  ganho a eleição em 1996, contrata animadores culturais. Os artistas elegeram a chapa liderada por Ricardo Siqueira para a ARTA. Em 1998, Garotinho deixa o governo para concorrer a eleição de governador. Arnaldo assume a chefia do executivo e sua mulher, Ilsan Viana, resolve responsabilizar-se pela cultura do município. O Teatro de Bolso passa a ser apêndice do Trianon. Eu dirigia o Teatro de Bolso, eleito que fui pelos artistas, em meados de 1996. No fim daquele ano, começamos a ter problemas com o governo, que faz uma intervenção no TB, nomeando uma comissão para tomar conta do teatro. Os artistas, em grande parte, são cooptados com empregos.

No mesmo ano, o SESC expulsa o nosso grupo, dirigido por Orávio de Campos, de suas dependências. O único que ficou, porque era empregado como iluminador, foi Marco Antônio, agora demitido. A partir de então, os grupos minguaram, não houve montagens, a não ser comerciais. O que "salvou a pátria" foi o SESI, com o trabalho de Fernando Rossi, com suas oficinas e montagens diversas. Mas o movimento chegou ao fundo do poço, até porque o presidente da ARTA foi cooptado com cargo no governo e fez o jogo do poder. Começa a era de ouro dos shows.

Em 2008 Rosinha Garotinho vence a eleição e, em 2009, implantamos o primeiro curso permanente de teatro em Campos. Temos hoje mais de 100 alunos que, quatro, cinco noites por semana, têm aulas com professores gabaritados de Campos e do Rio de Janeiro, de Corpo, Voz, interpretação etc.. Montaram três espetáculos em 2009, lotando o Trianon e o Teatro de Bolso. Este ano, dois espetáculos estão sendo preparados e grupos já começam a ser pensados. Em breve teremos, novamente, o movimento teatral que desejamos.

A escola de teatro (curso livre) tende a se fortalecer com uma sede própria, que abrigará, também, estrutura para áudio-visual, com cursos para filmagens de curtas, documentários e eventos para os cinéfilos. O futuro é promissor, com a formação de atores, diretores e técnicos que terão um mercado de trabalho que nos foi tirado por uma década. E teremos os artistas nas ruas de  novo, com experimentações e não apenas grupos que encenam peças comerciais. Viva as artes cênicas! 

Leitora responde a Provisano sobre comportamento dos blogueiros

A leitora, que se intitula Rosângela, responde a Sérgio provisano e, como fiz com a postagem de Provisano, faço agora com a dela, publico-a aqui, para o debate franco:

Gostaria de participar deste debate e espero que eu não seja rasteira, pois "alteira" é o que mais desejo ser no momento.

Quando comecei nos blogues foi o Provisano um dos que teve "um comportamento errático, onde predominou uma coisa meio paranóica, que psicologicamente chamamos de teoria de conspiração".
Tudo fiz para que "aquilo" não fosse levado para campo pessoal. É só dar uma olhadinha ali no Blog do PRPP para vermos o "comportamento infantilóide que tanto ele quanto outros adotaram". No início, quando PRPP entrou no blog todos vieram para recebê-lo, mas bastou que ele mostrasse sua opinião, para que todos sumissem. Não entendi nada, pois achei que ia haver ali altos debates. Foi surpreendente!

Não há como negar que tanto Provisano e todos os "anti garotinhos" não mediram consequências quando se propuseram a detonar àqueles que "ousassem" mostrar que Garotinho não era o vilão que queriam mostrar, isso não há como negar. E aquele que ousasse defender os "garotinhos", se fosse da ala do "anti", iiii seria massacrado. Ir contra essa corrente seria uma prova de Fogo.Prova de Ethos, Pathos e Logos.
Provisano chegou ao ponto ( e nada de mágoa, creia, é só um estilo pedagógico que uso para um bom proveito quem sabe em aprendizagem...)de me "caluniar" dizendo que eu recebia um "bom DAS para defender Garotinho". Querendo dizer com isso que todos podem falar o que querem de Garotinho e ninguém pode trazer um outro ponto de vista.

Alguém viu Garotinho falar mal deste povo picuinhento dos blogues? Nunca vi o Garotinho cair nessa meninice. Vejo sim, umas postagens inteligentes, isso sim, e deve incomodar muito. E muitos estão vendo isso e até comentam comigo. Se isso é qualidade ou defeito de Provisano e seus companheitos anti Garotinhos não me cabe dizer, só sei que "comungo a ótica de que devemos fazer política, com respeito às opiniões contrárias às nossas e, também, se não for pedir muito, com ética".

Na verdade, nem é minha intenção "fazer política", mas mostrar a verdade por trás de muitos sofismas.
Tentei por várias formas, "pugnar sempre pela CONSTRUÇÃO DE PONTES, afinal, elas servem para unir e, não por muros, que servem para separar, delimitar guetos, segregar, discriminar, até mesmo porque, democrata-CRISTÃ que sou, prefiro sempre deixar espaço para o diálogo até mesmo porque é o melhor caminho para homens públicos e mesmo para o cidadão comum, se entenderem, na busca do que é melhor para todos." Como Rosinha sempre fez, quando disse que iria governar para todos, mas isso foi quase impossível aqui.

"Vamos deixar de lado esse maniqueísmo "old fashionned", onde de um lado, na sua opinião, do seu lado, estão os bons e os que não concordam com a sua opinião, ou são classificados como obtusos ou são corruptos."

Garotinho estava sendo visto justamente assim, aqui nos blogues. Garotinho era tido como tudo, tudo de ruim, de mal e nada de bom. Não era uma opinião a um político mas a pessoa que, tida como "a Pior", não tinha nem chance de mostrar que a coisa não é esse maniqueismo.E ai daquele que se levantasse buscando a possibilidade de diálogo para mostrar o outro lado da questão! O Avelino agora que está aqui falando depois de quase dois anos ouvir de tudo por aqui. E bastou ele vir e dar SUA OPINIÃO para virem contestá-lo. Quanto ele ficou só ouvindo?

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Rosinha voltará a exercer o cargo que, por direito e por vontade do povo, é seu.

Alguns blogs comentam, timidamente, que o processo que deu ao TRE o motivo para a cassação da prefeita Rosinha não se sustenta juridicamente. Por isso, ela retornará ao cargo em breve.

Se a análise for jurídica, certamente que Rosinha volta. Aliás, se a análise fosse jurídica, o TRE teria arquivado o processo porque carece ao autor, Arnaldo Vianna, legitimidade para acioná-la na Justiça, já que, em junho de 2008, ele não era candidato (porque não conseguira o registro, fato confirmado após as eleições).

Se a análise fosse jurídica, os demais membros do TRE acompanhariam o relator, que não condenou a prefeita. Se a análise fosse jurídica, o presidente do TRE não daria um voto de minerva contra o acusado, numa votação, obviamente, empatada em 3 a 3.

Se a análise no TSE for jurídica, Rosinha voltará e governará normalmente, pois sua ficha é limpa e ela não cometeu nenhum ato que pudesse causar sua condenação. Quando muito, uma multa que, aliás, é aplicada aos candidatos que concedem entrevistas em período pré-eleitoral, como ocorre hoje com Lula, Serra, Dilma, entre outros.

Como queremos crer que o TSE não participará dessa farsa montada para destruir politicamente a família Garotinho, estamos certos que ela voltará a exercer o cargo que, por direito e vontade da grande maioria do nosso povo, é seu.

Breve comentário sobre meu latifúndio

Um amigo meu visitou-me e, ao ver o meu quintal enorme para os padrões das famílias pobres periféricas e uma casa que, o dia que ficar pronta, vai parecer grande (para os padrões da plebe rude), comentou que, em pouco tempo, vou ser alvo de acusações de corrupção. Ou seja, teria eu conseguido a minha casa com recursos oriundos de vantagens obtidas com a corrupção.

Dei uma gargalhada e disse-lhe que não havia pensado nisso. Mas que não temia comentários maldosos porque minha história "fala" por mim. Jamais vou ferir a minha história e meus princípios éticos são rígidos, quase kantianos. Se durante minha vida inteira resisti às facilidades das tangentes, não será agora, depois de velho, que abrirei mão de seguir o caminho reto, da retidão de caráter.

Que me acusem, portanto. Aliás, alguns já fazem isso. Até me divirto com algumas acusações e insinuações, porque os que procuram me atingir sabem (e eu sei que sabem) que não me rendo. Expliquei ao meu amigo, não para me justificar, mas para que ele soubesse (por ser meu amigo), como é que estou fazendo a minha casa e como tenho um terreno tão grande.

Há 14 anos comprei um terreno que paguei mensalmente por quatro anos. Há 13 anos comecei a construir a casa. Nela fui morar com minha esposa e era, então, um lugar sem vizinhos, "no meio do mato". São 13 anos construindo a casa que, espero, esteja terminada nos próximos dois. Eu e minha mulher trabalhamos arduamente e abrimos mão de muitas coisas interessantes para termos a nossa casa, construída a passos de cágado, o que me irrita às vezes. Como o bairro foi povoado e os terrenos encareceram, a impressão que se tem é a que no momento aparenta a realidade que se vê. Não posso mudar isso. É do ser humano.

Então, não me preocupo com o que vão dizer. Comecei a trabalhar muito cedo. Aos 14 tinha minha carteira assinada pela A Pena de Bronze. Eram 105 mil cruzeiros novos. Trabalho para ganhar o pão de cada dia há 48 anos, desde quando meu pai faliu (perdeu as terras) e eu, como filho mais velho, tentava ajudar a família, com meus seis irmãos. Fiz de tudo um pouco e o que construí foi-se com meus casamentos anteriores. Agora, já velho, com o pé na cova, ao lado de quem amo cegamente e muito bem com meus sete filhos e seis netos, quero ter minha casa com um grande quintal. Vou conseguir e não me importa o que digam.

Exerço uma função pública em cargo de confiança nomeado por uma prefeita correta, da qual orgulho-me de ser amigo há mais de 30 anos. Jamais trairei sua confiança e ela sabe que jamais trairei, como disse, a minha história. O poder não exerce atração sobre mim e o dinheiro só o quero na medida exata das minhas reais necessidades. Talvez por isso a minha intolerância com a corrupção, com a "normalidade dos ilícitos" e a hipocrisia dos venais.

Provisano analisa postagens e critica superficialidade do debate

Sérgio Provisano postou um comentário criticando-me pelo discurso inócuo, na sua opinião, além do debate com nível rasteiro (refere-se a mim e a Cláudio Andrade), que ele classifica como superficial. Sem sua licença, sabendo, todavia, que ele não vai se importar, decidi publicá-lo aqui, para que os leitores possam participar, caso queiram, do debate. Lembro que sempre tratei o Cláudio com respeito e procuro separar o debate do campo estritamente pessoal. Mas vamos a postagem de Provisano:


"Caro Alvanir
Me permita discordar de sua análise sobre a resposta de Cláudio Andrade, sobre o texto por ti escrito a respeito dos comentários de anônimos e coisa e tal. Só para esclarecer, não estou defendendo o Cláudio (com quem aliás tenho um bom relacionamento assim como contigo), aliás, tenho em muitas das vezes, posições antagônicas às dele e divirjo ideologicamente do mesmo em ene aspectos.

Feito tal preâmbulo, vamos ao que interessa: para começar, acho que a maionese que comestes estava estragada, ele não faz em momento algum nenhum liame entre você e Hitler, ele fez, ilações onde coloca em dois polos, figuras díspares como Cazuza X Jobim, Hitler X Guevara e fez uma citação histórica de um fato que realmente ocorreu em nossa história que se referiu ao comportamento de japoneses fanáticos pela figura do imperador japonês Hioríto e, espero que, não entendas que estou associando esse mesmo comportamento fanático a ti, longe mim, o que vejo, e já disse isso em outras postagens aqui mesmo nesse blog, é um comportamento errático de sua parte, onde predomina uma coisa meio paranóica, que psicologicamente chamamos de teoria de conspiração, mas não se preocupe, isso, caro Alvanir, é tratável e não deixa sequelas consideráveis.

Agora, que é um fato inquestionável que o Garotinho (e isso é inato dele) não mede as consequências quando se propõe a detonar àqueles que ousam dele discordar, isso não há como negar.
Se isso é qualidade ou defeito, não me cabe dizer, só sei que comungo a ótica de que devemos fazer política, com respeito às opiniões contrárias às nossas e, também, se não for pedir muito, com ética.
Entendo - e posso ser tachado como um ser jurássico, por adotar esse tipo de postura -, de que devemos, em nossa atuação e discurso político, cultivar quando muito, adversários e não angariar inimigos, como me parece ser a estratégia que resolvestes adotar (similar à do seu líder, diga-se "en passant"), nessa sua fase política atual.

Vou pugnar sempre pela construção de pontes, afinal, elas servem para unir e, não por muros, que servem para separar, delimitar guetos, segregar, discriminar, até mesmo porque, democrata que sou, prefiro sempre deixar espaço para o diálogo até mesmo porque é o melhor caminho para homens públicos e mesmo para o cidadão comum, se entenderem, na busca do que é mlhor para todos.

Vamos deixar de lado esse maniqueísmo "old fashionned", onde de um lado, na sua opinião, do seu lado, estão os bons e os que não concordam com a sua opinião, ou são classificados como obtusos ou são corruptos. Sabemos que não é bem assim e, confesso, me sinto ofendido, quando leio postagens onde a simplificação de todo um processo de discussão política, se resume à luta entre o bem e o mal, colocada dessa forma simplista, de um lado os bons, de outro os maus, como tens colocado diuturnamente e, me surpreende essa superficialidade, vinda de um jornalista e filósofo de sua envergadura.

Espero, e a esperança, segundo dizem, é a última que morre, que o debate sai da superfície e adquira o estofo que interessa ao conjunto da sociedade, que ele saia da esfera da provocação que muitas das vezes vislumbro nos seus textos e se transforme numa coisa produtiva e extrapole esse comportamento meio infantilóide que tanto você quanto o Cláudio adotaram, parece até aquelas picuinhas de crianças quando são contrariadas.

E termino aqui meu humilde comentário, com o mesmo sincero, sabes disso, fraterno abraço."

terça-feira, 13 de julho de 2010

Resposta a Cláudio Andrade

Na minha postagem sobre o sentimento de parte dos blogueiros sobre Garotinho, me referi às carapuças. E Cláudio  Andrade resolveu escrever um texto, a pretexto de defender os blogueiros, me agredindo com suas ironias e sarcasmos. Hitler e Hiroíto são referências que você teima em tirar de sua mente, porque, hoje, não são consideradas politicamente corretas, pois não? Porém, no fundo, existe lá alguma simpatia... mas não vou aqui fazer análise psicológica. Vou responder a você porque ainda continuo respeitando-o.  Na verdade, o texto abaixo, com pequena alteração, foi um comentário que postei em seu blog, a qual repriso aqui:

Cláudio,
Que tenho muitos desafetos, tenho. A maioria esmagadora usa do anonimato, o que revela a falta de coragem para assumir, como você, posições contra ou a favor. Os blogs, em geral, aceitam anônimos. Nada demais, creio eu, desde que a opinião ou comentário não ofenda as pessoas. Todavia, grande parte permite comentários agressivos escritos por "anônimos".

Para mim, é a vontade do blogueiro de dizer o que o anônimo diz e, como não tem coragem, usa o comentário do outro. Só que esse outro é um anônimo... então, a opinião passa a ser a do blogueiro. Sou um dos poucos que ainda publica comentários de anônimos me agredindo. Mas não permito que agridam os outros.

Quanto ao meu "amor incondicional" ao Garotinho, você usa como ironia. Sarcasmo talvez. Fala em Hitler e japoneses de Hiroíto para me caracterizar. Primeiro, sabe que é provocação que não vou aceitar. Por pouco. Muito pouco. Pouquíssimo...

Quanto à "boquinha" que você não diz, mas permite-se dizer via anônimos, quero que saiba que tenho ligações de amizade com Garotinho e Rosinha desde quando você era uma criancinha. Em 1988 ganhamos o governo municipal e não fiz parte da sua administração. Não fui à sua posse em protesto porque ele havia nomeado Lulu Beda (Esportes) quando o nome certo era Raul Arenari; nomeou o irmão de Paulo César Martins (Governo) quando o nome certo era Hélio Coelho; nomeou Marivalda Benjamin (Promoção) quando o nome certo era Rosinha; nomeou Cristina Lima, quando os nomes certos eram Orávio ou Maria Helena Gomes. Tenho até um documento escrito sobre as indicações. Quando digo certo é porque, além de competentes, eram seus amigos e foram às ruas lutar por sua vitória nas urnas. E Rosinha conhecia como ninguém as carências do nosso povo mais pobre.

Nunca fiz parte de seus governos (tanto os dois na Prefeitura quanto os dois no Estado). Na primeira greve de servidores municipais (na época existia o Comando de Greve e nós dele participávamos) contra seu governo, eu, sozinho (os líderes me colocaram nessa situação), impedi que saíssem ambulâncias ou caminhões de recolhimento de lixo do "triturador". Garotinho resolveu receber os sindicalistas e eu permiti a abertura dos portões. Não levei uma surra dos funcionários (que eram puxa-sacos de Zezé e passaram a ser puxa-sacos de Garotinho) porque Pudim, então secretário de Serviços Públicos, impediu.

Em todas as eleições, todavia, eu o apoiei. Sempre com meus parcos recursos. Em 1996, quando as forças políticas e parte do Judiciário se voltaram contra ele, que também não tinha espaço na mídia, lá estava eu e alguns poucos amigos do seu lado. Em 2002, quando Arnaldo fingia apoiar Rosinha e estava difícil fazer campanha para ela, lá estavam de novo os poucos amigos e, entre eles, eu. Em 2008, você sabe, também eram poucos amigos que ficaram ao lado do ex-governador. Lá estava eu, entre eles. E sabe por que? Porque acredito nele, na sua coragem de lutar contra os poderosos de peito aberto. Coragem que poucos têm.

Desta feita, fui convidado por Rosinha para ser presidente da Fundação e aceitei. Na verdade, temos um projeto excelente para aquele espaço que considero um dos mais importantes do país para abrigar uma biblioteca e um salão de artes. O Palácio da Cultura estava uma lixeira. Limpamos em parte e, agora, após a saída da Secretaria de Educação, vamos restaurá-lo e será um marco da administração Rosinha e a realização de um dos meus sonhos. Não caminhamos mais porque as administrações anteriores "pintaram o sete" e este mês é que conseguimos saldar os débitos da Fundação com FGTS e INSS.

Paro por aqui. Só escrevi este texto em respeito a você que, ao que parece, não merece. Mas vamos considerar que sim...
Avelino Ferreira

Aqui, a postagem de Cláudio Andrade:

CARO AVELINO, "NÃO ESTAMOS NO MESMO BARCO"


Nobre Avelino

Li o seu texto e confesso que o mesmo é um primor de fidelidade, amor, carinho, reconhecimento e idolatria sua pelo ex-governador Garotinho. Quanto a isso, nada demais, afinal trata-se de um direito subjetivo seu. Uns gostam de Cazuza, outros de Tom Jobim, uns de Hitler e outros de Guevara, logo é legítima a sua posição.
Você é Garotinho e pronto. Sua posição me faz lembrar os japoneses que residiam no Brasil e não reconheciam a derrota do Eixo na segunda Guerra. Só tinham ouvidos para as informações que os interessava. Recomendo nesse caso, nobre escritor, o livro "Corações Sujos" de Fernando Moraes.
Entretanto, as suas palavras indelicadas deveriam ser aceitas por todos, caso você se dignasse a nominar os blogueiros que, segundo o senhor, possuem toda a sorte de sentimentos negativos em relação ao candidato sub judice Anthony Garotinho.
Desde já, não estou falando em nome de nenhum blogueiro. Expresso a minha opinião, pois nenhum dos adjetivos negativos elencados por ti, enquadram-se na minha pessoa. Não sei como tu conduzes a sua vida laboral, mas quanto a mim, exerço-a de forma independente, buscando entender a posição alheia sem desespero.
As opiniões contrárias devem ser conquistadas mediante idéias e não com medidas de coerção.

O senhor deveria entender que as pessoas não podem gostar de Garotinho somente pelo fato do senhor amá-lo. Amor, diga-se de passagem, digno de aplausos, afinal não podemos negar que a trajetória do campista Garotinho é digna de reconhecimento.
Por outro lado, o senhor deveria entender também, que, enquanto o senhor faz parte do 'clã do amor', outros fazem coro contrário, e nem por isso, devem ser repudiados. Os contrários existem para isso mesmo.

Mesmo assim, o senhor deveria olhar a rede blog, na qual o senhor faz parte, com mais respeito, afinal entendo que precisamos marcar posição, mesmo sendo todos detentores de formas antagônicas de expressão.
Acredito que senhor irá refletir melhor e entender que essse confronto gratuito com todos os blogueiros, pois o senhor não teve o cuidado de nominá-los, não terá eco.
Não custa lembrar que o seu líder não pensa duas vezes antes de expressar as suas opiniões acerca de pessoas e fatos. Deveria ser o primeiro a mudar o rumo da escrita.
Tenho absoluta convicção que o senhor vai fazer uma nova leitura de seu texto e tomar uma atitude mais sensanta. Quem sabe nomear os blogueiros invejosos.?
Cláudio Andrade

Blogueiros que vivem à sombra de Garotinho

O que podemos perceber dos nossos blogueiros, de maneira geral, é que têm algum problema com o Garotinho. Digo isso porque, ao sair da disputa ao Governo do Estado e reduzir as postagens em seu blog, os nossos coleguinhas murcharam. É como se não tivessem assunto político interessante.

Vivem sob a luz de Garotinho e por despeito, inveja, ódio, paixão não correspondida, sentem prazer em falar mal do ex-deputado, ex-prefeito, ex-governador, principal eleitor no Estado e a maior liderança popular depois do Brizola. Sem Notícias do Garotinho, ficam sem postagens interessantes.

Penso que os nossos blogueiros, em sua maioria, fazem coro com aqueles poderosos que desejam o fim de sua carreira. Não porque tenham algo contra ele (afora as diferenças políticas, que são normais), mas porque, com ele, vivem na sombra. Por falta de capacidade política, por falta de garra para enfrentar as ruas, por falta de ter o que dizer ao povo. São muitos os motivos. Sem ele, todavia, pensam poder ganhar espaço, mas, na verdade, ficam sem rumo.

As alianças que tentam forjar no vácuo deixado pelo afastamento (espero que temporário) da prefeita Rosinha, a partir de uma decisão imoral do TRE/RJ, corroborada por um ministro do TSE, são tão díspares que causam risos. No mínimo, uma descrença dos próprios participantes de que elas se tornarão realidade.

Na onda de uma corrupção nunca vista no município, venceram a eleição no segundo turno do candidato apoiado por Garotinho. Novamente, em 2006, ganharam no segundo turno, após a cassação do prefeito deles, eleito em 2004, justamente por causa da corrupção e empreguismo desenfreado. Em 2008, o povo, cansado de tanta corrupção, elegeu em primeiro e segundo turnos a candidata do Garotinho, Rosinha.

Sem garra e competência para vencer Garotinho no voto popular, e vendo a chance dele ganhar novamente a eleição para o Governo do Estado, as elites usaram a Justiça Eleitoral, num processo que até o adversário de Garotinho, o jurista Marcelo Cerqueira, candidato ao Senado pelo PPS, disse que não se sustenta juridicamente, tornaram-no inelegível e cassaram o mandato da prefeita eleita limpamente e com uma administração séria e responsável.

As perseguições políticas fizeram Garotinho recuar e lançar-se candidato a deputado federal. Mas ameaçam cassar o mandato de sua filha, que é vereadora no Rio. Em Campos, buscam uma cisão entre Garotinho e seu irmão Nelson Nahim, que assumiu, por decisão do Tribunal Eleitoral, a Prefeitura.

Como se tivessem atingido o intento (as ações estão em grau de recurso), muitos blogueiros comemoraram e tentaram tripudiar sobre a família Garotinho. Como o povo está do lado dela, a maioria dos blogueiros está sem ação. Os blogueiros e os políticos frustrados parecem cansados e à espreita para dar o bote como cobras peçonhentas. Não são todos os blogueiros. Refiro-me àqueles que, certamente, vestirão a carapuça. Mas Garotinho forjou no embate a sua história e, certamente, irá à luta e vencerá mais essa batalha.    

Em briga de marido e mulher, se mete a colher

Recebi da leitora Conceição Lemes a postagem abaixo, como comentário, mas achei oportuno publicá-la com mais visibilidade e aí está:

"Em briga de marido e mulher se mete a colher, sim!
Janeiro. O ex-marido de Maria Islaine de Morais, 31 anos, a executa diante das câmeras de vídeo do seu salão de beleza em Belo Horizonte (MG).
Abril.
Orestina Soares, 53 anos, de Duque de Caxias (RJ), é assassinada a pedradas pelo namorado.
Engenho de Dentro (RJ): Dayana Alves da Silva, 24 anos, morre devido a queimaduras dois meses de o ex-marido atear-lhe fogo no corpo.
Mônica Peixinho, 28 anos, é morta com um tiro na nuca em Lauro de Freitas (BA); seu companheiro é o principal suspeito é seu companheiro.
Maio. Mércia Nakashima, 28 anos, é assassinada em Nazaré Paulista (SP); seu ex-namorado está entre os suspeitos.
Junho. Eliza Samudio, 25 anos, é assassinada em Vespasiano (MG) porque tentava provar que Bruno, ex-goleiro do Flamengo, era pai do seu filho.
A imensa maioria, porém, dessas estúpidas tragédias femininas não sai nos jornais. No Brasil, agressões contra as mulheres ocorrem a cada 15 segundos. Quanto mais machista a cultura local, maior a violência contra a mulher.
Os responsáveis por seus assassinatos são principalmente os atuais ou antigos maridos, namorados ou companheiros.
O Mapa da Violência no Brasil 2010 revela: entre 1997 e 2007, 41.532 mulheres morreram vítimas de homicídio, o que significa dez mulheres assassinadas por dia no país.
Enquanto aqui ocorrem 4,2 assassinatos femininos por 100 mil habitantes, na maioria dos países europeus, os índices não ultrapassam 0,5 caso por 100 mil.”
CRESCE PROCURA PELO DISQUE 180; MAIORIA MORA COM AGRESSORES
Essa semana a Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180, da Secretaria Especial de Políticas para Mulheres (SEPM), divulgou o número de atendimentos de janeiro a maio de 2010. Somaram 271.719, um aumento de 95,5% em relação aos primeiros cinco meses de 2009 (138.985).
E VOCÊ, JÁ FOI VÍTIMA DE VIOLÊNCIA MASCULINA?
Pense um pouco na convivência com seu marido, companheiro, noivo, namorado. Alguma vez ele:
1) Xingou-a ou fez com que você se sentisse mal a respeito de si mesma?
2) Depreciou ou humilhou você diante de outras pessoas?
3) Ameaçou machucá-la ou alguém de que você gosta, como pessoas queridas ou animais de estimação?
4) Deu-lhe um tapa ou jogou algo em você que poderia machucá-la?
5) Empurrou-a ou deu-lhe um tranco/chacoalhão?
6) Deu-lhe um chute, arrastou ou surrou você?
7) Ameaçou usar ou realmente usou arma de fogo, faca ou outro tipo de arma contra você?
8) Forçou-a fisicamente a manter relações sexuais quando você não queria?
9) Você teve relação sexual porque estava com medo do que ele pudesse fazer?
10) Forçou-a a uma prática sexual degradante ou humilhante?
“Se respondeu afirmativamente a pelo menos uma dessas perguntas, você já foi ou está sendo submetida à violência por parte do parceiro”, alerta a médica Lilia Blima Schraiber, professora do Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da USP, no capítulo Relacionamento do livro Saúde – A hora é agora. As questões 1, 2 e 3 indicam violência psicológica; 4, 5, 6 e 7, violência física; e 8, 9 e 10, violência sexual. Freqüentemente, os três tipos estão sobrepostos.
COMO SE PROTEGER MAIS: USE ESTAS ARMAS A SEU FAVOR
Conheça a Lei Maria da Penha na íntegra – Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006, cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e estabelece medidas de assistência e proteção às mulheres em situação de violência doméstica e familiar.
Central Disque 180 – É o disque-denúncia para violência contra a mulher. Vale para todo o território nacional, e a ligação é gratuita. Atende todos os dias, inclusive finais de semana e feriados, durante as 24 horas.
por Conceição Lemes".

domingo, 11 de julho de 2010

A ditadura dos Marinho

No Rio de Janeiro eram dois jornais "grandes": Jornal do Brasil e O Globo. O JB ainda tinha uma rádio média e O Globo, uma rádio mais popular. Os leitores mais qualificados, liam o JB. Os conservadores com "verdades pré-estabelecidas", liam O Globo. Os dois jornais concorriam bem e tornaram-se duas potências na década de 1970.

O povão lia Última Hora, O Dia e os políticos mais à esquerda, a Tribuna da Imprensa. O alternativo principal era O Pasquim e, na década de 70, surgiram vários outros, como O Casseta Popular e o Planeta Diário, mas que não tinham outra intenção senão o de escrachar o statu quo.

Com apoio governamental (história que todos conhecem, não só pelas denúncias do senador Calmon, como por livros escritos posteriormente), as organizações Globo, via Vênus Platinada, comeu pelas beiradas a TV Tupi que, em meados da década de 70, vivia seus extertores. Falida, estava sendo negociada e  o Jornal do Brasil era o principal interessado (para fazer frente aos Marinho).

Com apoio dos Marinho, o governo negou a concessão ao JB e deu para um ex-empregado da Globo: Silvio Santos. Este, em 1979, pegou o canal e levou para São Paulo, criando o SBT. Com Silvio vendendo sonhos para as classes pobres, os Marinho ficavam absolutos nas classes média e rica. A Record a essa altura, era um arremedo do que havia sido na década de 1960.

No início dos anos 1980, Os Marinho, sempre com apoio do governo central, que sempre salvaram-nos da falência (até o Lula), eram uma potência em várias áreas e decide entrar nas casas dos mais pobres. Surge Faustão (quem, razoavelmente intelectualizado, suporta?). Depois, na mídia impressa, concorre com O Dia (ùltima Hora já tinha sido liquidado), lançando o Extra. Contrata o pessoal do Casseta e Planeta (que haviam se juntado) e faz "aquilo".

O Jornal do Brasil foi acabando aos poucos, porque não tinha a menor chance sem uma TV. Agora, vai fechar (já não tem mais leitores para sustentar uma redação). O Globo ficará absoluto, embora a informação via Internet esteja liquidando os jornais impressos para quem só quer a notícia e não a análise. Só falta a morte de O Dia para que o sonho dos Marinho se realize no Rio de Janeiro.

Leitor do JB desde 1972, sinto a sua falência. Mais ainda quando sei que ela foi "trabalhada" por décadas pelos Marinho, subvencionados por todos os governos desde 1964. E continuará com Dilma (ou Serra).